Please ensure Javascript is enabled for purposes of website accessibility
Cidades OPERAÇÃO PITYOCAMPA

Justiça bloqueia 24 milhões do ex-prefeito Jose Ronaldo, em suposta fraude da Coofsaude.

A ex-secretária de Saúde, Denise Mascarenhas, o ex-procurador do município e atual superintendente do Procon, Cleudson Almeida, além de Antonio Rosa de Assis e José Gil Ramos Lima da Penha, todos servidores do município, foram atingidos pela decisão judicial.

18/03/2022 às 10h25 Atualizada em 18/03/2022 às 15h32
Por: Redação Fonte: D4/Metro1
Compartilhe:
Jose Ronaldo ex-prefeito de Feira de Santana
Jose Ronaldo ex-prefeito de Feira de Santana

Ministério Público Federal solicitou através de liminar e o juiz federal Alex Schramm de Rocha determinou o bloqueio de R$ 24 milhões em bens do ex-prefeito de Feira de Santana, José Ronaldo de Carvalho (DEM), e outras quatro pessoas servidores publicos, por suspeita de fraude em nove licitações do governo municipal com a Coofsaúde – Cooperativa que prestou serviço terceirizado para a prefeitura na gestão de Jose Ronaldo. A informação foi divulgada pelo site Metro 1 na edição do dia (03.03).

A decisão abrange a secretária de Saúde, Denise Mascarenhas, o ex-procurador do município e atual superintendente do Procon, Cleudson Almeida, além de Antonio Rosa de Assis e José Gil Ramos Lima da Penha.

Em entrevista ao programa de rádio local,  o ex-prefeito voltou a negar a fraude e disse acreditar na inocência também dos demais acusados. “O que vale é a consciência do dever cumprido e tenho a consciência limpa de que agir com honestidade com o dinheiro público e o tempo mostrará. Não cometi nenhum crime e acredito que as outras pessoas também não praticaram”, frisou.

Conforme a denúncia, a Coofsaúde recebeu cerca de R$ 285,6 milhões do Fundo Municipal de Saúde e da Fundação Hospitalar de Feira de Santana entre 2009 e 2018 e estima-se que R$ 71,6 milhões tenham sido superfaturados.

Na denúncia, o MPF afirma ainda que a relação da cooperativa com a gestão municipal rendeu multa aplicada pelo Tribunal de Contas dos Municípios (TCM) e de acordo com a Corte, a gestão de Colbert Martins – que sucedeu Zé Ronaldo – não conseguiu comprovar a realização de serviços que montam o valor de R$ 14 milhões.

Jose Ronaldo ressaltou na entrevista a uma rádio local que dos 68 anos de idade, 50 foram dedicados a vida pública com mais de três mandatos como prefeito de Feira de Santana e 100% das contas aprovadas. Disse também que nunca contestou as manifestações do MPF e, após responder a diversos questionamentos, todas foram arquivadas. “Algumas ações que foram à justiça também foram arquivadas. Esta é uma ação que apareceu no final de 2018 e agora reaparece com a manifestação de uma liminar de penhora dos meus bens”, afirmou.

E sequenciou com a especificação dos patrimônios: “A casa que eu moro, que foi uma herança da minha esposa; mil tarefas de terra adquiridas há quarenta anos em Várzea da Roça; uma casinha na ilha que estou vendendo; um apartamento em Salvador adquirido há 35, 40 anos financiado pela Caixa; e um carro, com três ou quatro anos de uso, que também paguei entrada com o carro anterior e financiei. Metade das propriedades herança de família, outra metade adquiri há quarenta anos. Se sou um homem dessas posses, como pode ter um volume de dinheiro que tenho até dificuldade de descrever?”, questionou. E acrescentou: “Como desvia dinheiro se é pagamento de pessoal?”

Ronaldo informou ainda que não foi oficialmente notificado e, assim que for, agirá conforme a lei. “Não li nada ainda, meu advogado também não. (...) Em posse (do documento), vamos ao advogado e o advogado vai analisar tudo e fazer a devida defesa da questão toda”, finalizou.

OPERAÇÃO PITYOCAMPA

Deflagrada em dezembro de 2018. Na época, o Ministério Público Estadual (MPE) denunciou onze pessoas por crimes de organização criminosa, falsidade ideológica e lavagem de dinheiro cometidos no suposto esquema fraudulento de licitações e superfaturamento de contratos celebrados pela Coofsaúde com a Prefeitura de Feira. A denúncia foi oferecida à Justiça no mesmo mês e o MP também pediu a decretação de prisão preventiva dos denunciados, o que foi acatado pela Justiça na mesma data. Em novembro do ano passado, o contador Robson Xavier de Oliveira, conhecido como Robinho, foi preso em Salvador. Ele era o último investigado na operação.

 

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
Ele1 - Criar site de notícias