Please ensure Javascript is enabled for purposes of website accessibility
Saúde EMPREENDEDORISMO

Inventor sete-lagoano cria simulador de caminhada para pessoas sem movimento das pernas.

O inventor Eduardo Batista, cadeirante desde 2018, desenvolveu solução de baixo custo, sem nenhum similar no mercado nacional

09/05/2022 às 21h27 Atualizada em 11/05/2022 às 14h56
Por: Redação Fonte: https://www.instagram.com/neuroactionoficial/
Compartilhe:
Foto Rede Sociais/Instagran
Foto Rede Sociais/Instagran

Formado em Administração, o inventor sete-lagoano Eduardo Batista jamais poderia imaginar que, aos 37 anos, se tornaria cadeirante quando sofreu um acidente de bike em uma trilha. Na queda, fraturou as vertebras T5 e T6, lesionando a medula e paralisando seus movimentos e a sensibilidade do peito para baixo. A partir daí, após uma cirurgia, uma extensa bateria de sessões de fisioterapia e medicamentos diários teve início na vida do administrador.

Na busca por melhores resultados em sua reabilitação, o inquieto Eduardo se juntou a amigos da área da saúde e a um empresário que fabrica equipamentos de ginástica para aprimorar um protótipo e passar a comercializá-lo. "A ideia surgiu após me deparar com simuladores de caminhada importados com valores que chegam a R$ 5 milhões", conta o empreendedor, que começou a analisar projetos, desenvolvendo novas opções e lançando uma versão simplificada com valor de venda a partir de R$ 8,9 mil.

A invenção, batizada de NeuroAction, é uma nova abordagem na metodologia de reabilitação. "É um dispositivo feito para pacientes que sofrem de paresia ou paralisia dos membros inferiores, o que lhes permite realizar complexos exercícios de reabilitação em posição vertical, além de também poder ser usado por pessoas com mobilidade reduzida e idosos", explica Eduardo.

Segundo a fisioterapeuta Danielle Esterfane da Silva, com o uso do NeuroAction, o paciente tem a satisfação de 'caminhar'. "Os efeitos que resultam disso, como melhora da condição física e sensação geral, já são sentidos após as primeiras sessões. Uma pessoa paralisada (paraplégico), após a conclusão de todo o ciclo de exercícios, goza de relaxamento dos músculos que antes estavam em tensão espástica, melhorando a amplitude do movimento articular, se livrando das contraturas", detalha.

Como funciona

O paciente, ao mover ativamente seus membros superiores ou com auxílio do motor (na versão motorizada), força os pontos de apoio dos membros inertes inferiores a se moverem. Dessa forma, mantendo-se de pé, ele coloca todo o seu corpo em movimento simulando o andar. De acordo com a personal trainer Bárbara Vasconcelos, que acompanha o inventor em seus treinos, "o equipamento, já patenteado, possibilita que o corpo esteja sujeito à carga natural na posição vertical e que as articulações sejam passivamente postas em movimento alternadamente: coxa, joelho, tornozelo e pé. Além disso, trabalha o movimento da parte superior do corpo, ajudando a desenvolver a mobilidade de tronco".

O produto já foi validado também pelo mercado. Lançado em novembro do ano passado, o NeuroAction já foi entregue a sete clientes espalhados pelo Brasil, além de mais 15 vendas em andamento e 130 interessados. O público-alvo são fisioterapeutas e clínicas de reabilitação para uso em pacientes que sofrem de paresia ou paralisia dos membros inferiores por lesão medular ou paralisia cerebral, idosos com dificuldade de locomoção e pessoas com mobilidade reduzida e outros distúrbios do movimento. O NeuroAction está à venda para todo o Brasil com parcelas a partir de R$ 168,00 pelo crédito acessibilidade do Banco do Brasil. Mais informações no Instagram @neuroactionoficial, com Eduardo Batista (31) 98695 3647 e pelo site www.neuroactionoficial.com.br.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
Ele1 - Criar site de notícias