Domingo, 07 de Março de 2021 20:50
75 98891-2472
Brasil FRAUDE BANCARIA

Idosa é indenizada por descontos em aposentadoria de empréstimo consignado fraudulento.

Justiça concedeu R$ 10 mil de dano moral, além do ressarcimento dos valores descontados indevidamente.

03/02/2021 09h06 Atualizada há 1 mês
Por: Redação Fonte: Migalhas-06/20
Banco Central vem de maneira morosa apurando inumeras denuncias contra as instituicoes financeiras - Foto Rede Sociais
Banco Central vem de maneira morosa apurando inumeras denuncias contra as instituicoes financeiras - Foto Rede Sociais

Operações fraudulentas sem a solicitação do cliente, começa a dar dor de cabeça as financeiras quando acionadas na Justiça, Banco Itaú, C6 e Banco PAN são os mais acionados. Em Paulo Afonso cresce na justiça acoes de aposentados em busca de coibir operações sem autorização do cliente, os bancos com acesso a margem do consignado assedia os clientes e em muitos casos sem autorização creditam valores sem o conhecimento do cliente.

Em São Paulo o juiz de Direito Zander Barbosa Dalcin condenou instituição financeira por operação fraudulenta que disponibilizou quantia de crédito consignado a uma idosa.

A autora narrou que foi importunada por várias ligações realizadas por supostos representantes da instituição financeira ré. E, em uma das ligações, foi coagida a enviar por WhatsApp fotos de seus documentos pessoais, sob pena de extinção de benefício previdenciário.

Dias depois, pouco mais de R$ 10 mil foi creditado em sua conta corrente, sem sua autorização. Prontamente, tentou devolver o valor para a instituição, porém, sem êxito. Chegou ainda a realizar TED devolvendo o valor ao banco e a ré, novamente, devolveu o dinheiro em sua conta. Então, passou a suportar descontos mensais em seu benefício previdenciário.

A instituição financeira alegou a regularidade da contratação do empréstimo consignado, pois devidamente assinado pela autora.

Na análise do caso, o julgador levou em conta a avaliação da perícia grafotécnica, que concluiu que a assinatura questionada não foi emanada do punho da autora.

"Portanto, à luz da responsabilidade objetiva, evidenciado o nexo de causalidade entre o dano e a conduta da empresa ré, surge o dever de indenizar os prejuízos suportados pela parte autora e a declaração de inexistência do débito da autora junto à ré.

Em que pese os argumentos da ré, a fraude praticada por terceiro se inclui no denominado fortuito interno, que não exclui a responsabilidade da instituição financeira."

Para a concessão do dano moral, o magistrado apontou que a autora é pessoa idosa, "o que mostra a situação de extrema angústia a que restou sujeita quando, parcela indevida foi deduzida de seus ganhos".

"Considerando a boa-fé da autora contrastada com a inércia da ré, na medida em que a autora buscou solucionar o problema, tentou devolver a quantia disponibilizada, e, mesmo assim, não logrou êxito, necessitando ajuizar a presente demanda e efetuar o depósito judicial (fl. 33), apresenta-se razoável a fixação da indenização por danos morais em R$ 10.000,00."

Constatada a irregularidade e inexistência do negócio jurídico, a agência credora foi condenada na devolução das parcelas descontadas indevidamente mais a indenização por danos morais.

O advogado Itamar Paulino Pontes defendeu a autora.

Processo: 1000082-97.2019.8.26.0341

 

Nenhum comentário
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Sobre o município
-
Atualizado às 21h00 - Fonte: Climatempo
°

Mín. 22° Máx. 36°

° Sensação
km/h Vento
% Umidade do ar
0% (0mm) Chance de chuva
Amanhã (08/03)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. 22° Máx. 37°

Sol com algumas nuvens
Terça (09/03)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. 21° Máx. 36°

Sol com algumas nuvens
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Ele1 - Criar site de notícias